NOTA PÚBLICA – Iminência de conflito na ocupação do Complexo Divino Pai Eterno, no sul do Pará

NOTA PÚBLICA – Iminência de conflito na ocupação do Complexo Divino Pai Eterno, no sul do Pará

 

Comissão Pastoral da Terra – CPT Alto Xingu divulga nesta última terça-feira (26), nota pública em que denuncia as ameaças que famílias da Ocupação do Complexo Divino Pai Eterno, na Gleba Pública Federal Misteriosa, vem sofrendo desde 2008, mas têm se intensificado nos últimos anos e meses. Na última sexta-feira (24),  um grupo composto por 05 (cinco) homens não identificados foram vistos descarregando caixas de duas caminhonetes que estavam estacionadas na entrada de uma reserva de mata.

A CPT denuncia que homens acampam nas matas ao redor da ocupação e fazem visitas aos ocupantes anunciando que o pretenso dono da área iria expulsar as famílias e retomar a área. O Complexo Divino Pai Eterno é patrimônio da União, e o pedido de regularização fundiária solicitada pelos supostos donos foi negada pelo INCRA. Em 2020, as famílias receberam visita e ameaça de um dos fazendeiros que disputa ações judiciais pela posse da área. O histórico do conflito na região é de violência: já resultou no assassinato de 05 (cinco) trabalhadores.

Leia a nota na íntegra: 

NOTA PÚBLICA – IMINÊNCIA DE CONFLITO NA OCUPAÇÃO DO COMPLEXO DIVINO PAI ETERNO

A Comissão Pastoral da Terra – CPT Alto Xingu, preocupada com a segurança do grupo acompanhado na região da Novoeste, vem por meio desta nota, tornar público os últimos acontecimentos na Ocupação do Complexo Divino Pai Eterno, situado na Gleba Pública Federal Misteriosa, no município de São Félix do Xingu.

Na sexta-feira à noite, dia 22/10/21, chegou até a CPT informações de que um grupo composto por 05 (cinco) homens não identificados foram vistos descarregando caixas de duas caminhonetes que estavam estacionadas na entrada de uma reserva de mata que fica localizada na Vicinal Rodeio, área que compõe o Complexo Divino Pai Eterno.

Durante o fim de semana que seguiu, o clima foi de tensão pela constante ameaça cercando a ocupação. Na manhã desta segunda-feira, os homens saíram da mata e foram até a vila da Novoeste para “convocar” todos os ocupantes da área a comparecerem porque teriam um recado do pretenso dono da área. E se os trabalhadores não comparecessem, sairiam de casa em casa para dar o recado.

Este evento é sequência de uma série de acontecimentos na área, tendo o último ocorrido em 31/07/21, quando uma liderança local recebeu a visita deste mesmo grupo, anunciando que o pretenso dono da área iria expulsar as famílias e retomar a área. Nesta época, os homens também ficaram acampados na mesma mata. Anterior a este evento, no dia 02/10/2020, as famílias foram visitadas por Edson Coelho, um dos litigantes das ações judiciais pela posse da área. Na ocasião o mesmo informava às famílias que havia vendido a área e que futuros acontecimentos não seriam de sua responsabilidade, eximindo-se de qualquer evento danoso que pudesse ocorrer. No entanto, segundo um dos homens que estão na vila coagindo os ocupantes, o “patrão” é o mesmo, e que a área não foi vendida pelo fazendeiro.

O Complexo Divino Pai Eterno é patrimônio da União, e o pedido de regularização fundiária solicitada pelos supostos donos foi negada pelo INCRA. No entanto, contatado, o INCRA se mostra omisso, não respondendo as solicitações de reunião proposta pela CPT e pelos ocupantes, mas esteve na região na inauguração do Núcleo de Regularização Fundiária de Tucumã, e na posse de nova diretoria do Sindicato dos Produtores Rurais de Tucumã e Ourilândia do Norte, distante 100 km de distância de São Félix do Xingu, município onde está localizado o Complexo. Desse modo, o INCRA mostra qual grupo realmente atende e que os clientes da Reforma Agrária não são prioridade.

Ressalta-se que este conflito perdura desde 2008 e já foram assassinados 05 (cinco) trabalhadores e até o momento ninguém foi responsabilizado.

São Félix do Xingu, 25 de outubro de 2021.

Comissão Pastoral da Terra do Alto Xingu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *