[Pe. Alfredinho] Por muito menos!…

Por muito menos do que a persistente apologia patrocinada pelo capitão Bolsonaro da ditadura militar, com seu séquito de horrores, e pela exaltação do torturador coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra como um “herói nacional” – o general Golbery do Couto e Silva, eminência parda dos militares, viu-se banido e execrado pela história, devido à herança maldita e negativa responsável tanto pela “geopolítica do regime de exceção”, quanto pela “ideologia de segurança nacional”, que levou tantas pessoas ao cárcere, ao exílio, à tortura, à morte ou ao desaparecimento puro e simples!…

Por muito menos do que alardeou e perpetrou o presidente Jair Bolsonaro em termos de escárnio, abandono, deboche e indiferença diante da pandemia do Covid-19, com sua fúria trágica e assassina e sua montanha de cadáveres a bem dizer insepultos, mas tida pelo chefe da nação como uma simples “gripezinha” ou “resfriadozinho” – o ex-presidente José Sarney foi “linchado politicamente” ao assumir o governo com a inflação de 242,24% e entregar com a inflação de nada menos do que 1972,91%!…

Por muito menos do que vem fazendo o clã Bolsonaro em termos de corrupção, desde os tempos de vereador ou deputado federal até a campanha eleitoral e a interferência no governo, como também em termos de ataques hostis, violentos, irresponsáveis e agressivos na relação com os demais poderes da União, Legislativo e Judiciário, com os representantes da ciência e com os jornalistas e órgãos da imprensa – o ex-presidente Fernando Collor de Mello teve de enfrentar os “cara-pintadas” e sofreu impeachment!…

Por muito menos do que vem desfazendo o presidente Jair Bolsonaro em termos de desmonte das políticas públicas, de liquidação e enterro das forças-tarefa da operação Lava Jato e do controle absoluto e autoritário sobre o comando da Polícia Federal e a atual Procuradoria-Geral da República – o ex-presidente Michel Temer foi acusado por Rodrigo Janot Monteiro de Barros, então Procurador-Geral da República, de corrupção passiva, de organização criminosa e de obstrução da justiça, chegando a ser preso!…

Por muito menos mandos e desmandos, discursos e motivações, ou mesmo por muito menos “pedaladas” no que diz respeito à prática de irresponsabilidade fiscal, do que vem cometendo o atual governo Bolsonaro na elaboração do orçamento público para o exercício administrativo de 2021, com a ajuda dos parlamentares do chamado “centrão” e do Ministro da Economia, Paulo Roberto Nunes Guedes – a ex-presidente Dilma Rousseff sofreu o impeachment por “crime de responsabilidade fiscal”!…

Por muito menos valor líquido do que têm movimentado os membros da família Bolsonaro, supostamente desviado durante o transcorrer do mandato, tanto no costume das “rachadinhas”, viciado, obsessivo e escandaloso, quanto na compra de mansões e outros imóveis, muitas vezes com dinheiro vivo e real, na qualidade de representantes do povo e em cumplicidade com os próprios dependentes – o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado por um juiz posteriormente acusado de “suspeição” e passou 580 dias numa prisão federal!…

Por muito menos do que as 360 mil mortes e as milhares de famílias enlutadas e traumatizadas, pelas quais o presidente Jair Bolsonaro não pode sem mais eximir-se de culpabilidade, ao ter menosprezado desde o início o flagelo que se abateu sobre o mundo e ao exibir comportamento irresponsável quanto às determinações sanitárias, além de trocar quatro vezes de Ministro da Saúde – outros chefes de Estado foram sentenciados por crimes contra a humanidade!

 

Pe. Alfredo J. Gonçalves, cs, vice-presidente do SPM

São Paulo – SP, 13 de abril de 2021.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *